domingo, 28 de abril de 2013

Carência









Em meu âmago sua ausência
corrói minha estrutura sedenta
pela essência balsâmica
de sua presença.




terça-feira, 23 de abril de 2013

Meme das sete coisas


Essa brincadeira foi proposta para mim pela Lu Rosário, sei que não tem muito haver com meu perfil, mas resolvi aceitar, ainda mais que Lu, é uma amiga virtual sempre presente. Espero que apreciem e conheçam um pouco mais de mim.


I - Sete coisas antes de morrer:
1.Ver meus filhos encaminhados e trabalhando.
2.Encontrar, se já não o encontrei, meu par para vivermos juntos até o último dia de nossas vidas.
3.Tirar a habilitação e dirigir meu carro.
4.Publicar meu livro de poesias.
5.Ter meu projeto na Educação Especial reconhecido pelo MEC.
6.Ser reconhecida entre os escritores brasileiros.
7.Adquirir mais conhecimentos literários (mestrado e doutorado).

II - Sete coisas que mais digo:
1.Ninguém merece.
2.Oiiiii.
3.Ah tá!
4.Sei...
5.Hã?
6.Fala sério!
7.Adooooro.

III. Sete coisas que faço bem:
1.Dar aula de expressão corporal, linguagem e teatro.
2.Lidar com Alunos Excepcionais.
3.Minhas unhas.
4.Escrever variados tipos de textos.
5.Beijar.
6.Amar (literalmente).
7.Conversar (passo horas conversando até com estranhos, crio assuntos)

IV. Sete coisas que não faço:
1.Deixar de adorar a Deus.
2.Tomar bebida alcoólica.
3.Xingar.
4.Ser desonesta em qualquer hipótese.
5.Ficar em meio à multidão por muito tempo.
6.Dormir sem ansiolítico.
7.Rotina.

V. Sete coisas que me encantam:
1.Músicas como Angels (da Cidade dos Anjos),
2.O sorriso de minha sobrinha.
3.Diálogo (raro) entre meus filhos e eu (os 3 juntos sem que eles briguem).
4.Ser pega no colo pelo meu namorado.
5.Meus pais demonstrarem orgulho de mim (Dificílimo).
6.A gratidão e o carinho com que sou tratada pelos meus alunos excepcionais.
7.Observar as pessoas, a brisa, o vento balançando as árvores em uma tarde de verão ou em uma noite outonal.

VI. Sete coisas que eu não gosto:
1.Cigarro.
2.Hipocrisia.
3.Frutos do mar.
4.Pirraça.
5.Multidão.
6.Músicas que fazem apologia ao crime e à submissão feminina.
7.Ver o crepúsculo.

VII. Sete pessoas para dar prosseguimento com outras respostas para o meme:
Deixarei essa etapa livre, pois não sei quem se interessaria em realizar tal tarefa.

 Bjoks deliciosas.
Jaqueline Cristina





sexta-feira, 19 de abril de 2013

Liquefação




Em meio à multidão busco seu cheiro,
seu corpo, sua essência, seu eu.
Meu olhar inquieto por vê-lo
deixa minha estrutura trêmula,
duvidosa do que está por vir, se não o avistar.

Entretanto, em meio ao caos urbano
e minha turbulência interior,
uma visão: o motivo de meu ardor.
Arrepio-me.
Enrijeço-me por inteira.
Salivo desejosa por devorar esse objeto de querência.
Em demência, sentir sua pele quente
deslizando minhas curvas cálidas luzentes.

Seus beijos sôfregos,

seus sentidos ávidos,

seu toque insaciável, indomável.

Em um momento insano transcendemos o meio.
Do ar anseio ao jorro permeio.
Fugimos da realidade.
Fundimo-nos.
Sem o 'eu',
sem o 'você'.

Só por instantes: o 'Nós'!







sábado, 13 de abril de 2013

Veneno






Sua ausência corta-me o corpo
transpassando-o como uma lança

cuja ponta contamina todo o ser
envenenando minha existência
com essa tal saudade.
Como dói sentir sua falta!

O vento em brisa parece um furacão
diante de um ser solitário
com corpo envenenado
e dias contados
rumo ao último suspiro.
Como dói sentir sua falta!

Nada ameniza a dor
que estilhaça meu interior
dando a sensação vaga
nos braços abraçados
e nos lábios sedentos por te terem por dentro.
Como dói sentir sua falta!

Minha essência parte
com o veneno da saudade
deixando o esqueleto úmido de desejo
sem pejo adejo em ensejo
saudosa por mais um beijo...
Como dói sentir sua falta!





segunda-feira, 8 de abril de 2013

Sensação











Sentir sua pele morena deslizando em mim
remete meu ser ao céu estrelado em uma noite quente
com luar cálido e atmosfera voluptuosa.



terça-feira, 2 de abril de 2013

Essência










No instante de agora fecho os olhos
Através de sensações intrínsecas posso sentir
no toque da brisa suave a sua presença.
No vento, o bálsamo envolvendo meu ser,
não mais sou eu, somos nós, é você!

Razão de minha existência, minha raiz vivificante
o ar que necessito expirar
o alimento que preciso para subsistência
o motivo da rima em existência.

Teus sussurros deleitam-me esculturalmente
perfumam o ambiente, misturando-se ao silêncio
clareando as paredes testemunhas do nosso momento
nutrindo a essência de nosso instinto.

Ao abrir os olhos, respiro profundamente a realidade
oxalá a distância quilometrada não afaste nossas almas
quiçá arrefecidas na matéria
mas estivadas no amor de nosso desejo mútuo.




24.09.2012
*Imagens: Google