quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Perda de Identidade



Foram várias primaveras no verão
vários verões no inverno
vários outonos com suas folhas secas
vários momentos tempestuosos envoltos às estações
que transformaram nossa volúpia juvenil
em estiva convivência de indiferenças
climatizadas à nevoa de insensibilidade.

A distância presente em nossa presença
era um abismo no qual nos afundamos
perdendo nossa inocência
perdendo nossa mocidade
perdendo nossa cumplicidade
perdendo um ao outro
perdendo o amor sem percepção
por vezes sem noção em grande proporção.

Ao longo de muitos outonos invernais
separados ficamos e assim estamos.
Em outros braços você se aquece,
perde-se, acha-se, encontra-se, refaz-se.
Enquanto eu, ao longo dos mesmos outonos
perco-me.
Desfaleço a existência do eu
que reencontro ao vê-lo,
pois partiu junto a você quando se foi.

Não existo mais como 'eu'.
Sou uma folha no vento outonal...
seca.
Não sou eu, o eu ficou em você.






24 comentários:

  1. En ocasiones; este sentimiento intenso nos hace perder la identidad. Debemos ser nosotros mismos; aunque, siempre, llevemos tatuada en el Alma la presencia de ese ser al que amamos y que, por nada del mundo, no queremos borrar de nuestra mente.
    Precioso, Jaqueline.
    Abraços e beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Debemos aceptar el final o incluso la pérdida de un ser querido, pero es muy difícil si no imposible de olvidar.

      Gracias, Pedro.

      Excluir
  2. Eu nunca amei, já tive paixões e isto é algo que admito ter receio quanto ao que se fala sobre o amor.
    Eu me pergunto se quando não é recíproco, quando se torna algo tão obsessivo ao ponto da pessoa não se sentir completa por si mesma, seja o real amor ou apenas um tipo de carência afetiva, emocional...
    Por fim, não posso opinar com convicção o que ainda não vivi, contudo, tenho para mim que AMOR deve ser algo muito superior e deve ser recíproco, ou não me parecerá amor.
    Muito bom o poema Jaqueline.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Chris!

      Eu já amei, há 20 anos atrás, e não foi recíproco. Ele até tentou, mas não conseguiu me amar, então eu disse que o amava tanto que deixaria ele livre (éramos namorados) para ser feliz longe de mim uma vez que comigo ele não era :(.
      Isso é amar, Chris.
      Há pais que amam seus filhos e estes não amam seus pais...

      Quando queremos para gente independente do sentimento do outro, é pura paixão.

      Amor é querer a felicidade e o bem estar do outro.
      Bjoks

      Excluir
  3. Acho que chegou a hora de assumir que nunca tivera contemplado tão belo poema, tão cheio de emoção e grande porção de intensidade. Poemas esse que cria aquele arrepio enquanto se lê, tenho mesmo que admitir que sim, isso nunca aconteceu, não como hoje. Belo poema querida.

    Bjo;
    E sempre a amar teu canto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cláudia, minha florzinha!

      Que depoimento delicioso de se ler!
      Obrigada por entender de forma lírica o que quis dizer neste poema.

      Agradeço seu carinho comigo e meu cantinho,
      Bjoks

      Excluir
  4. Jaque, minha flor!
    Pois é, quando amamos somos a extensão do outro, como diz o poema de Mário Benedetti: "na rua, lado a lado, somos mais que dois".
    Muito lindo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissa, que prazer recebe-la aqui!!!

      Amor é amor! Sem egoísmos mas de certa forma no outro nos vemos.

      Bjoks

      Excluir
  5. Querida Jaque, o poema é lindo para mim do ponto de vista idealizado, mas a idealização do eu lírico tendo sua existência só com o outro, não rola muito na minha mente não. Pois acredito que somos algo mais ou menos inteiro e não metade. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helene, Helene...

      Há pessoas que se perdem nas outras e precisam de terapia para poderem se achar depois de uma perda dessas. Conheço gente assim.
      Mas poesia é poesia. Depende do sentimento e da visão do leitor para haver compreensão.

      Bjoks

      Excluir
    2. É exatamente por isso que acho bonito enquanto idealização, mas não acho belo são essa classificação, me parece algo doentio, obsessivo. Agora, quando há reciprocidade é possível pensar sem receio, contudo, ainda não acho saudável o mundo se resumir a uma única pessoa.

      Excluir
  6. Muito bonito, vejo no poema um erotismo romanceado.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há o toque de um sensualismo perdido com o amado...

      ;)

      Excluir
  7. Oi Jaque,

    Acho que já senti todas as sensações possíveis e imaginárias do amor, já fui destruída e consegui me reconstruir, já amei e odiei ao mesmo tempo a mesma pessoa, as vezes acho que sou mais louca do que preciso, e as vezes acho que preciso ser louca...é complexo mas Freud Explica..rs

    Tudo isso é pra dizer que adorei e compreendi a intensidade do texto..

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa, minha flor!


      Freud explica muitas coisas que fogem ao entendimento, dentre elas a questão sexual que tanto me fascina!
      Somos por vezes loucas quando não devemos ser e sãs quando deveríamos ser mais doidas! Isso é parte de nós que lemos e vivemos em poesias...

      Obrigada por vir.
      Bjoks

      Excluir
  8. Bem amiga, tentei pegar um texto aqui, sabe que adoro formtar, mas teus não estão disponíveis, amiga libera aí, porque compartilhar é maravilhoso e ninguém está imune de plagio, Tenha certeza disso, caiu na rede é um risco que corremos com esse tipo de crime.
    Um beijo e fica com Deus!
    Eu! Leilinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leilinha, minha flor,
      já tentei retirar essa película mas não deu certo.
      Não entendo como faze-lo sem danificar meu cantinho. :(

      Excluir
  9. Jaques,

    Tudo bem? Voltando aos poucos, mas tentando escrever semanalmente.

    O texto é lindo, intenso e real para quem ama ou já amou como se não houvesse o amanhã.

    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Lu Santa Rita!!!

      Fico feliz pelo retorno e pelo comentário.

      Bjoks

      Excluir
  10. Nossa Jaqueline, que lindo seu texto! E essa ultima frase então!
    Muito bom!!! parabens menina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      Olá!

      Que bom ter gostado,
      obrigada.

      Excluir
  11. Bello poema sobre el sello que deja el amor. ¡Enhorabuena! Un beso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias, amigo Armando!!!

      Besitos para ti y família!

      Excluir
  12. Tem momentos que achamos ter perdido tudo.
    Sempre ficará a esperança.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir

*Imagens: Google