quinta-feira, 28 de junho de 2012

Borboletas




Expectativas.
Expectativas.
Expectativas.
Por mais que não queira 
elas teimam em aparecer.

Na negatividade
retiram o chão
abrem abismos
fecham o céu
trancam o mundo
frustram o ego
acaba o Ser.

Na realização
borboletas no estômago
resumem a sensação.



quarta-feira, 27 de junho de 2012

Embriaguez





Embebida por sensações
que transcendem a razão
esvaio todo o meu ser em puro desejo
exalando pelo ar a olência do instinto
Fico tonta, perco a noção do tempo
me perco em múltiplos orfeus que aparecem
no vai-e-vem das sensações sinuosas
dessa embriaguez.

Tento racionalizar a situação
procuro ater-me em mim mas é inútil.
o que fazer
se nas veias corre o vício
se na razão falta o raciocínio
será um ato falho da embriaguez?

Não será Himeneu, Aristeu
ou qualquer outra ninfa ou deus que me fará sóbria,
pois embriago-me de você, só de você, Orfeu.




segunda-feira, 25 de junho de 2012

Retorno Lúdico







"Eu havia parado de sonhar,
de sonhar com amor
com pessoas humanas
com sucesso
com um homem ideal
até perceber que mesmo não vendo exemplos
em um mundo capitalizado e egocêntrico
o que me motivava eram os sonhos
e decidi voltar a sonhar.

Sonhar traz-me conforto mesmo em selva de pedras
traz-me esperança em dias fúnebres.

Sonhar é o combustível da vida.

Voltei a sonhar".



domingo, 24 de junho de 2012

Martha Medeiros - Pedaços de Mim


Estava refletindo em leituras poéticas, mais precisamente Martha Medeiros que tanto admiro e encontrei pedaços de mim em "Pedaços de mim".

Eu sou feito de
Sonhos interrompidos
detalhes despercebidos
amores mal resolvidos

Sou feito de
Choros sem ter razão
pessoas no coração
atos por impulsão

Sinto falta de
Lugares que não conheci
experiências que não vivi
momentos que já esqueci

Eu sou
Amor e carinho constante
distraída até o bastante
não paro por instante


Tive noites mal dormidas
perdi pessoas muito queridas
cumpri coisas não-prometidas

Muitas vezes eu
Desisti sem mesmo tentar
pensei em fugir,para não enfrentar
sorri para não chorar

Eu sinto pelas
Coisas que não mudei
amizades que não cultivei
aqueles que eu julguei
coisas que eu falei

Tenho saudade
De pessoas que fui conhecendo
lembranças que fui esquecendo
amigos que acabei perdendo
Mas continuo vivendo e aprendendo.

Martha Medeiros

sábado, 23 de junho de 2012

Vazio



Hoje me deparei com a incapacidade


falta-me palavras
pensamentos,
ar,
vida,
falta-me o eu...
no coração a sensação de eclosão
eclosão na alma de muitos nadas.
Vazio.


sexta-feira, 22 de junho de 2012

"Eu" em nostalgia



Enquanto o Brasil
vive em Cachoeiras,
alianças, desabrigos e pedofilias,
eu vivo nostalgia.

Amanheci assim, nostálgica!
a dor que me cortava cessou
deixou saudades,
saudades de momentos ruins
saudades de momentos bons
saudades de você
saudades de mim
saudades da Cléo*
sinto saudades do que poderia ter vivido
mas que por um fato ou outro esqueci de vivê-lo
mas também, eu tinha você.
Aliás, eu pensava tê-lo
mas ninguém pertence a ninguém
e disso eu não nunca deveria ter esquecido.

Sinto nostalgia
mas será só por hoje
amanhã, bem, amanhã não sei.
Penso que Cachoeiras
Cléo, minha gata
alianças, desabrigos e pedofilias
cessarão no Brasil
ou não.
Mas isso só saberei amanhã
porque hoje sinto nostalgia.
Não sou egoísta ou egocêntrica!
Apoio os movimentos
sigo os acontecimentos
mas hoje sinto nostalgia
talvez por um dia,
mas, sinto nostalgia.
           




*Cléo, Cleópatra, foi uma linda gata que eu tive e desapareceu. Tratava-a como minha rainha.



quarta-feira, 20 de junho de 2012

Cognitivo Ilusório

Hoje, escrevo algo diferente de meus desejos voluptuosos...



Divina
Diva
Divã
Palavras...

Acrescenta-se vogais

retira-se consoantes
aglutina-se tais
para escritas diferentes
contidas em toda parte.
Como ilusões,
sempre presentes
por vezes ocultas
outras explícitas
mas... ilusões.

Perspectivas

sonhadas de olhos abertos
ou fechados.
Desejos aflorados
interiorizados
ou não.
Solidão no só
só, na multidão.
Multidão de monumentos
monumentos sem sentimentos
sentimentos confusos
que se dão com brio
mas... ilusão.

Expectativas tardias

esperadas
sem esperança no copo.
Ironia.
Mentes sabidas
matemáticas,
históricas,
geográficas,
literárias,
outras áreas,
afogam amplidão
apetecidas em vida
em caminhos sem volta.

Nada contra a moderação
Prazer?
Talvez.
Mas... Ilusão.




terça-feira, 19 de junho de 2012

Feriado Sem Sol



Em um tarde dessas, mais precisamente em um feriado, minha inspiração despediu-se de mim. Toda expectativa que não queria ter, mas que teimava em haver, deixou-me frustrada, decepcionada, até mesmo açoitada pela visão de um nada que antes era tudo de bom... humm... Era delicioso sentir seu cheiro, ouvir sua voz rouca, rir de suas piadas sem graça, suas gargalhadas... Até a fumaça de seu cigarro (que odeio) era-me perfume exalando de sua boca, de sua mão, de seu corpo! Seus cabelos grisalhos, macios como plumas suavizadas, escorriam entre meus dedos. Quando sussurrava em meus ouvidos, enlouquecia-me, instigava-me ao âmago de mim... Fico sem ar só de pensar na sensação que eu sentia quando você me dizia: - Seja minha! Nossa! Que delícia! Parecia que o dia só seria claro se eu consentisse ser sua, se eu permitisse o sol entranhar em minhas veias e clarear todo o universo. Quando o único verso de mim era você! Mas naquele feriado vi você longe, perto de mim; perto de mim mas longe de meus sentimentos... Será que foram os sofrimentos por ansiar momentos em que você não queria me ver e eu precisava te ter? Será que minha razão criou forças e domou toda a emoção? Será que nosso amor teve fim? Sem respostas estive... Sem respostas estou... Dentre as indagações sei  que o amor por você não acabou, mas o meu amor pelo reflexo do espelho cresceu e tomou proporções que jamais almejei. E logo naquele feriado, onde você, como de costume entregou-se para mim como monumento sem sentimento, a inspiração esvaiu-se no ar, deixou-me... Estranhamente...não senti remorso, apenas uma leve tristeza, afinal estava inspirada com tanta volúpia, com tanto ardor, com tanto amor... E de repente, após um pensar breve...toda a fascinação havia acabado...todo o encantamento havia tido seu fim. Tudo esvaiu-se no ar daquele feriado que ficou apagado sem o sol de minha entrega.




segunda-feira, 18 de junho de 2012

A Dança do Vento


...dança o vento...
  ...baila os desejos...
     ...inspira andejos...
de uns... Breves em vida
                 ...sem ida...
            ...sem volta...
...mas em um ficar
eternizado no cheiro...
                  ...na alma...
                     ...no ser...
                        ...na razão...
                          ...na ciência...
                 envoltos a mitos...
                    ...conflitos... 
                   cingidos 
             sem gritos
       em gemidos
sem objetivo...
subjetivos volvidos...
pairando o monumento...
pousando a alma...
elevando as lembranças...
...contidas...
   ...em uma...
     ...dança do vento...






Compromisso Moderno - Descompromisso


Post do filme "Sexo sem compromisso"



Ouvimos-nos.
Encontramos-nos
olhamo-nos
beijamo-nos

Gemidos
sentimo-nos
em nus sensualizados
anastomosados.

Gemidos
envolvidos,
extasiantes,
calados.

Gemidos
unos,
umedecidos,
calmaria
Despedimos-nos
eu em minha casa
você na sua
e a vida continua.


Selinho - brinde


=> Gente, hoje recebi um selinho com tanto carinho que venho compartilhar com vocês esse momento. O presentinho quem fez foi Paulinha Mattos Designer escolhido pela amiga Solange Nunes Revendedora.
Há umas regrinhas para levar o presentinho, mas com jeitinho sei que você vai cumpri-las, pois afinal é meu jeito de presentear também:

1- Colocar o selinho no blog
2- Divulgar o selinho
3- Linkar com o blog de quem você ganhou
4- Escolher 10 blogues para receber seu presentinho.




Eu recomendo os blogues que se encaixam no perfil do selinho e que ficarão felizes por receberem-no:

1- Vejo Por aí 
2- Aqui Fofura
3- Maquiagem da Claudinha
4- Pretty & Fashion
5- Penélope's  Whisper
6- Letters from Launna
7- Dani Karter Artesanatos
8- Gata no Laço
9- Arte com Quiane
10- Sonhar e Ser





=> Este outro selinho eu ganhei da amiga Danny (Danny Art) quem criou foi Lu Severo.




Arte é a expressão mais autêntica de um ser em sua essência.




=> Mais um mimo, dessa vez do blog Duas Moças Prendadas em 08 de julho.




08/07/2012






=> Neste mês de Agosto, o blog 'De dentro pra fora' comemora 1 ano de blog e mandou um selinho com carinho, vejam:

Parabéns, Elaine!!!

07/08/2012





Recebi um meme de minha amiga Luciana Souza do blog Histórias de uma Bipolar, como disse a ela não o farei neste momento, pois não tenho o que falar de mim agora, o que posso continuar fazendo nesse momento é só sentir o instante e compartilhá-lo através dos posts.
Mas aqui está o selinho:






                                                                    11/10/2012







Recebi da amiga Lu (Sem Pudor) um selinho carinhoso:





05/08/2013


domingo, 17 de junho de 2012

Alienígena Titulante



Em meio a amigos,  sem amplos sentidos, estava eu em um dia desses, comentando meus dizeres. Ao dar por mim, pensava comigo mesma: - Sou um ser de outro mundo, senhor Raimundo! Não bebo, não fumo, não xingo, mas... como bem... e bem sozinha satisfaço-me como todo mundo! Por que então sinto-me diferente? ...E assim pensava durante um riso e outro, uma fumaça vizinha e outra, enfim durante todo o instante, obstante do restante. E conforme passavam-se os minutos, uma sensação estranha me tomava por entre as pernas, titulações deixavam-me aflorada por segundos... durante um riso e outro, uma fumaça vizinha e outra naqueloutro deixavam-me em sentindo louco. parecia que eu fazia tal ato, mas de fato não fazia! Quando resolvi vir para minha casa, chamei um táxi no qual estava em sentido contrário ao meu endereço, mas em voltas e revoltas peguei.  No trajeto, um rapaz que dividia comigo o mesmo, dizia que entraria no trabalho às 4h da manhã, sendo que eram 23h naquele momento em que ele estava indo para sua casa... e durante um riso e outro, sem fumaça de vizinhos e outros, ele disse que era retireiro, ordenhava as vacas todos os dias... É... Acho que sou alienígena em um mundo de raimundos divididos em classes, sejam sociais ou não, nem tão profundos! Enquanto amigos vivem envoltos à fumaça de suas ilusões, pessoas sobrevivem dia após dia cercados por um riso e outro, uma fumaça vizinha e outra... e eu... aqui sentindo titulações em meio a essas confusões... É...Sou uma alienígena no próprio mundo nato que de fato sou um átomo.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Olhar - Impetuoso Sentido





Ao olhar adiante para o nada
começo a sentir o existir.

Extravaso feromônio
pelos poros aleatórios.

Meu olhar não vê
mas transmite
o que remanesce
o querer

E meu querer é você,
senhor meu
meu Orfeu
no apogeu do eu.

Do eu no nada
do eu em mim
do eu em você
do eu em nós
sem doer

apenas prazer
ledice, trúpia
doação em dupla

hum...que volúpia!

Enfim, bonança!
Desperto o olhar para o nada 
 lá encontro pousada.








Sensação Unilateral




Por instantes pensei.
Como todo ser humano, pensei.
E, senti.
Sinto.
Noite clara
momento escuro
magia rara
sentimento confuso
Estávamos lá!
Sem tempo
em meio a discursos
seus lábios tocaram os meus.

Ai que loucura!

Vi-me em você
senti-me em você
fecho o olhos e ainda sinto 
a leveza de seu beijo
a delicadeza de seu toque.

Enquanto em mim
a revolução dos sentidos eclodia
você só sorria.
Eu, todavia, nem percebia
você temia sentir o que eu sentia.

Meu ser aflorado pedia
o que você não podia
ou não queria.

Ironia?
Não.
Porfia em poesia.

Você não me pertencia.






quinta-feira, 14 de junho de 2012

Fim Sem Começo




Amanheci contente por ter acordado bem naquele dia, realizei minhas tarefas rotineiras, sem pensar asneiras, mas na expectativa extrema de receber um telefonema. Durante tudo o que eu fazia um pensamento me vinha, o celular! Olhava-o de minuto em minuto, ouvia-o chamar sem tocar...coisa de minha cabeça?...sim... rs... Estava ansiosa para ouvi-lo. Enfim, ouvi. No mesmo instante corri para pegá-lo, decepção! Era uma amiga querendo me vender mais um acessório, como se não bastasse a decepção, acabei comprando e gastando sem pensar no que fazia, estava fora de mim, afinal queria ouvir outra pessoa, ou talvez, não ouvir, mas ser lembrada por ela. Conforme as horas iam passado, o celular parecia me olhar com sarcasmo, debochando de mim por não tirar os olhos dele. Até que, ao mexer em meu facebook, alguém me chamou para conversar, era só um amigo que me convidava para sair e como não havia recebido o outro telefonema, aceitei. Ao terminar meu trabalho, ouvi sem querer ouvir, meu celular tocar mensagem, era quem eu esperei o dia todo e para minha surpresa queria me ver. Lógico que neguei, não querendo negar. Lógico que ignorei, não querendo ignorar, afinal já era noite e havia marcado com um amigo de sair. Que ódio daquele homem! Para piorar minha situação, ao sair do trabalho, quem estava do outro lado da rua mandando beijinho??? Ele! O que ele queria afinal? Ignorou minha pessoa o dia todo e quando fui me encontrar com um amigo, ele ficou com ciúmes? Ah não acreditei! Parecia cena de novela, mas da novela de minha vida, uma novela da vida real! No dia seguinte um fato imprevisível e inusitado... Recebi uma mensagem via celular na qual ele terminava o que nunca tivemos. Dando fim ao que nem havia começado. Não entendi. Não entendo. Estou sem entender. O que sei é que não tenho mais aquele Apolo em minha vida, mesmo que esporadicamente. Aquele homem que me fazia Mulher! Instigava meu instinto como nenhum outro o fez. Que me pegava com certeza do que queria, pelo menos no momento...era intenso...mas...esporadicamente. E agora nem assim... Tivemos um fim sem termos um início e isso não entendo nem compreendo... Tivemos um fim!

Presente



Recebi no último sábado um maravilhoso presente da amiga blogueira Jane Pereira do blog Arte 100 Limite. Como agradecimento para você Jane:

Arte com pés
arte com mãos
arte na alma
faz o coração...


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Coita Amorosa Atual


Manhã empolgante
expectativa em beira
tarefa rezante
rua ladeira!

Carros zunindo
cachorro latindo
corpos perdidos
olhares longínquos

Homem no meio
o seio encontra 
no colo monta
e assim permeia

ecos suspeitos
movimentos feitos
luzes em preito.
Ato perfeito!






terça-feira, 12 de junho de 2012

Pura Ilusão





Namorar é permitir-se estar no outro, mas não pertencer a ele.
Namorar é compartilhar o eu em alguém por prazer, não por obrigação.
É gostoso sentir-se pertencente a alguém e vice-versa, mas não é real.
É pura ilusão!




O Fim do Começo do Nós


Estávamos brigados, para mim tudo estava dando errado, tudo e todos me irritavam. Ai que raiva!
Estávamos brigados! Era o fim pra mim! Pensar que logo neste dia estaríamos assim...brigados. Ao sair pela manhã não me beijou na testa como de costume, ao dar por mim você já havia saído e eu ficado. Ficado ali na cama, estendida pela manhã, preguiçosa pela química, mas sem seu beijo de despedida, me sentia perdida. Estávamos brigados! Até a hora do almoço nem um telefonema, nem uma mensagem no celular... nada! Nem um sinal de que era mentira o que acontecia. Eu te perdia...e que ironia...logo nesse dia! Afinal de contas o que acontecia? Por que brigamos? Por que discordamos? Por que? Enfim... estávamos brigados! Na hora do almoço, o atraso! Você não veio. Fiquei fora de mim, desacreditei no que esperei... você não apareceu! Ao passar aquelas horas, ouvi o motor de seu carro, corri para ver meu cabelo, olhei para o espelho e que olheiras (de tanto chorar)! Mesmo assim ajeitei minha roupa, lógico que sensualizei um pouco (queria que você me desejasse) e sentei no sofá como se nada estivesse acontecendo, sendo que tudo acontecia. Você chegou sério, com um ar tenebroso e sem me olhar passou para o quarto retirou as chaves do carro, pegou uma sacola que trouxe da rua e veio em minha direção. Você nem sorriu, nem me beijou, nem disse "oi". Estávamos brigados! Ao chegar perto de mim estendeu a mão com a sacola e me entregou. Eu, sem curiosidade, peguei e fiquei procurando seu olhar, sua boca, sua fala,  menos o que havia na sacola... afinal estávamos brigados. Você indagou: "- Não vai ver o que trouxe para você?" , sem pensar muito, mas ainda procurando respostas, abri a sacola, o estranho era que a sacola parecia falar para mim: "- Calma, eu não tenho culpa, não me rasgue!  Você vai gostar do que eu tenho aqui dentro" . Nela havia um cartão em forma de coração com um embrulho lindo de uma das lojas famosas da cidade. No cartão estava escrito: Para minha eterna namorada com todo o meu amor. Chorei... choro... Era um celular. Abracei você e beijei com tanta vontade, como se fosse a última vez que o fizesse. Fizemos um amor gostooooso...Nosso leito foi sem mácula... sem culpa... sem brigas... sem sombras! Foi entrega total e recíproca. Mas... foi um adeus. Hoje, dia dos namorados, fazem três anos que nos separamos. Ainda tenho o celular, mas não tenho mais o seu amor... Que sarcasmo: no dia dos namorados tivemos o fim do começo dos nós para iniciarmos o sós, aliás, o só de mim... pois você já tem outra.


domingo, 10 de junho de 2012

Ondulação Amorosa



...ondas que vêm ...
...ondas que vão ...

ondas que me trazem calor
ondas que conduzem ardor
ondas que acentuam fulgor
ondas que carregam pavor


...ondas que vêm ...
...ondas que vão ...


ondas de seu corpo
meu corpo em ondas
ondas excitantes
calmantes ondas


...ondas que vêm ...
...ondas que vão ...


ondas que trazem você para mim 
ondas que me levam você
ondas que trazem o eu 
ondas que me levam de mim...

...ondas que vêm ...
...ondas que vão ...






sábado, 9 de junho de 2012

Insaciável




A música ao fundo principia o desejo
bailando sensualmente
busco sutilmente seu olhar
balbucios
sussurros
gemidos
tudo em trejeitos
feitos suavemente
para evitar deslizes.

Instigo-te!

Movimentos sinuosos 
sensualizados com os olhos
olhos de menina,
olhos de mulher,
olhos de felina,
Meus olhos!
Adiante uma cadeira
que de sobremaneira 
auxilia às insinuações
que faço e incuto, afinal

Instigo-te!

Botão por botão 
olho no olho
saia descendo
olho no olho
eu me molhando
você se babando
olho no olho
mas sem toques
a não ser beijos entre um movimento e outro
 bailando com o ritmo da música.

Instigo-te!

De costas retiro o que resta
dou a cartada final 
para o movimento fatal
E de repente, vejo-me em você
cavalgando e deliciando
o ser que instiguei.

Jorro-te em gozo
em gozo me jorra...

Não sou eu ou você ou nós,
somos um terceiro ser 
fusão do eu em você
do você em mim.

E a música continua a instigar,
porém em outro ritmo
para não olvidar
mas marcar a atmosfera 
que se eterniza
em meu insaciável e voluptuoso reminar.




sexta-feira, 8 de junho de 2012

Ardente Decepção



Um fim de semana comum, além do tempo nublado e a insipidez da cidade, ruas desertas, janelas iluminadas e um ar frio com chuviscos para completar. Estava Diva em seu mundo alienado, pois sua ralidade não permitia sair de casa pela violência urbana, quando recebeu um telefonema de alguém que há muito mexia com seu coração, mas que como todo mundo era idealização. Diva ficou entusiasmada, banhou-se, colocou sua melhor lingerie, perfumou-se e ficou na expectativa da chegada de seu Adônis (como toda mulher, Diva acreditava que poderia conquistar seu amor). Para sua surpresa, Adônis chegou em poucos minutos levando-a para seu recanto. Um apartamento pequeno, bem estruturado, mas frio! Frio de sentimento, de emoções, de vida! Por outro lado, cheio de instinto; percebia-se no ar, o cheiro do ato sexual que frenquentemente era realizado ali, não com Diva, mas com outras. Diva não queria enxergar o que via, seu amor, era maior que a decepção que, agora a espreitava. Deixou-se envolver por Adônis, entregou-se totalmente a ele, de todas as formas que o poderia fazer, amou-o intensamente! Cada parte de seu corpo manisfestava sua ledice voluptuosa, sentiu seu amante em cada instante, desde o toque em seus cabelos até a fruição de seu corpo. Após múltiplos sentidos, Diva viu-se de volta à realidade. A decepção que dantes não quis que dominasse sua razão, caíra como um relâmpago, um flash luminário que a fez despertar. Foi mais uma naquele ambiente, foi mais uma na volúpia de Adônis, foi mais uma na vida... Não querendo demonstrar sua carência de atenção, agiu friamente como se nada tivesse acontecido, como se tudo fosse nada, entretanto  seu coração sangrava, sangrava por querer uma ação que  jamais aconteceria, um pedido de "fica comigo", um pedido de "seja minha companheira", um pedido que nunca foi pedido, mas perdido...perdido nos sonhos de uma mulher apaixonada... perdidos nos atos instintivos e insensíveis de um  homem que nunca amou!

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Místico Esvaecer de Um Dia Chuvoso



Era uma manhã chuvosa e gostosa...
o dia não prometia grandes acontecimentos
a não ser a monotonia diária na áreas.
Respingos ao chão,
pequenas poças aqui e ali,
ar úmido,
brisa suave,
com um certo mistério na atmosfera.
Aliados ao clima
a sensação de consonância
sem exuberância
sem importância
sem abundância
ou flamância,
em conformidade com o ar sombrio
visto por muitos e admirados por poucos
e loucos pelo místico.

Rebuscando o dia ameno
um inusitado encontro pleno
fez-se realizar!
Meu passado e meu presente
estavam a me cercar.
Lembranças vieram a cismar
Sim...vieram a cismar...
Cismar algo que almejei
mas que não alcancei.
Sonhos de uma adolescente pícara retraída
que era minha vida.

Ele estava lá.
Em minhas reminiscências retornou
com seus lindos olhos verdes
inocentes e fogosos.
Uma mistura de candura e loucura.
Meu sangue fervia,
meu corpo tremia,
meus lábios emudeciam
meus sentidos gemiam.
E ele discretamente sorria.
Pois sabia que o meu querer
naquele dia de nuvem cinzenta
era mais do que ele poderia oferecer.

E assim como veio, se foi.
Um breve pensamento
com sentimento virou-se naquele momento
o presente de um passado que passou
e deixou deliciosas lembranças de um amor
rememoradas em um dia sem dor
sem calor
sem rumor
sem mais
mas com a pureza e a beleza de tê-lo vivido.




terça-feira, 5 de junho de 2012

Fases Mitológicas de uma Mulher Contemporânea


Ser rapariga era ruim pra mim
meu desejo era não ter nascido assim
queria ser homem enfim,
correr da disciplina
viver sem rotina
as aventuras canduras
sem pensar em destino
deliciando a vida de menino.
Mas... não foi assim!

Dias vindo...
Dias indo...
Desventuras subindo
Amores morrendo
sonhos se perdendo
viver se tornava chato e pacato
como de fato
vida de Perséfane.
Nada fazia crer que ser mulher era prazer!

Primaveras passando
vida correndo,
Véstia sorrindo.
Gente indo...
Gente vindo...
Um ato de Deméter: duas gestações!
A revolta continuava em emoções
Atenas, agora, dominava as ações
meu legado profissionalizava
em alta já estava,
já não era Perséfane
era Artêmis ladane.

Adequei-me ao mundo
descobri um profundo
que Hera tornava oriundo.
Poderosa,
jeitosa,
dona de si,
dona de ti
dona do mundo!

Atentei-me para o gosto de ser Mulher.

Afrodite reina,
mas Hera domina!
E eu???
Alienada às deusas gregas
desvendei o delicioso universo feminino
que jamais sendo menino
deslindaria  sem desatino.
Mitologia grega fascina
ser Mulher é sina!




domingo, 3 de junho de 2012

Amálgama Fatal




A sinfonia orquestrada da cachoeira
ouvimos envolvidos
o vai e vem de pequenas ondas
a quebra de linhas
o formato curvilíneo,
o ar quente,
a água fria,
o palpitar acelerado
o frescor insopitável
unos à ledice desejada
e à atmosfera criada.
A Natureza testemunha
o ato voluptuoso
a sensação de estar um no outro
com a paz em adorno
e a inquietude interior.

Eu sou uma.
Você é um.
Juntos somos mais
mais em transcender concretos
subsistindo na maturidade
essa deliciosa volúpia vivente.

A queda d'água continua
principia a amálgama do nós.
Amálgama fatal para a individualidade
fundamental para a dualidade
ardente nos monumentos amantes.
Delícia de cachoeira
delícia de água,
delícia de nós.
Delírio.


sábado, 2 de junho de 2012

Impressão



Devaneador...
Apetitoso.
Deleitoso.
Delicioso.
Gostoso.
Harmonioso.
Saboroso.

      Humm...

                 ...aconchegante...
                 ...arrepiante...
                 ...hilariante...
                 ...flamejante...
                 ...incessante...
                 ...penetrante...

      Humm...

Indefinível!
Indescritível!
Indizível!
Você...
Eu...

Nós!















Lisuras de uma Mulher-Menina




Uma dor indescritível toma meu ser!
Parece arrancar o meu coração!
Tudo isso no vão da história que, 
por vezes,
teima em voltar para me atormentar!

Mas, depois de um tempo,
acaba o pesadelo e
volto a sonhar
a idealizar
a devanear
a fantasiar
a palpitar sensações que até então
pareciam esquecidas.

Em meus pesadelos você 
dizia que eu precisava crescer
pois bem, não fluiu!
Na infância eu permaneci.
É nela o meu lugar,
ser gente grande não dá!

Tem muitas aleivosias
prefiro as alegorias
de minha euforia
sem máscaras
que só na ingenuidade infantil
posso viver

Desculpe a lisura
com que me exponho
em mesura
Mas... fofura... sou alvura!

E, encanto é o que me segura
neste mundo de ilusões
sou criatura in natura.

Sou mulher-menina!



*Imagens: Google