domingo, 30 de setembro de 2012

Delírio Oculto





No silêncio dos vistos urbanos
sofro a petição de meu instinto
procuro a presa
não aceito qualquer uma
tem que me satisfazer
desde o olhar até o penetrar.
Sob um luar suspeito e evasivo
banho-me de desejos.
Na plenitude orgástica
perco-me
e retomo depois dos variantes e viajantes
Imaginados nos sentidos,
a vida.

22 comentários:

  1. Sentimentos que a vida impõe, e antes que percamos o controle, é bom que se descubra que somos apenas mais um nesse imenso jogo.

    http://duo-postal.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza o instinto é imposição vívida!
      Temos que nos controlar e viver...
      Bjoks Duo.

      Excluir
  2. Olá!Boa tarde!
    Jaque!
    ...embora por vezes ande às apalpadelas...tenho-me dado bem...outras , nem tanto, por isso costumo medir os prós e os contras,mas...quando não tenho esse tempo....lanço-me fora da mesma, pois acredito que por mais forte que seja o instinto a gente consegue moldar com a passar do tempo e, nem sempre agir por impulso emocional nos leva ao melhor resultado...
    Obrigado!
    Boa semana!
    Beijos




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felis!
      Vc tem razão em lançar-se fora, porém espero que sempre ocorra antes de que se envolva emocionalmente.
      O impulso é algo extremamente perigoso e impiedoso!
      Bjoks

      Excluir
  3. Thought provoking and stunning as usual Jaqueline:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Always sensual and provocative, my dear Launna

      Excluir
  4. Jaque, lindona!
    Belo jogo de palavras você faz!
    E muito sensual. E quantos de nós já não deliramos de forma oculta? Um lado nosso, só nosso; na prática ou imaginação, mas me parece que isso é muito do ser humano.
    Obrigada pelas palavras lá no Humoremconto.
    Retorno, tá bom?
    Beijos e ótimos dias, queridona!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissa, obrigada!

      O ser Humano tem esse lado humano do instinto e precisa satisfazê-lo, lógico que de forma ponderável.
      Retorne sim, boas experiências em off é o meu desejo a vc!
      Bjoks

      Excluir
  5. Ai, que delícia te ler, Jaque!

    [Fico suspirando tesão por suas palavras]

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. De folhas de Outono se coroa uma tonta
    Lancei pedras sobre as ondas furiosas
    Teimosamente arde neste peito uma raiva
    E vi muito lixo num covil de raposas

    As coisas que um poeta vê
    As coisas que que invadem uma alma demente
    Num silencio contaminador, estonteante
    Ouvi palavras de amargo presente

    Cheguei finalmente a uma certa praia
    Fiquei encoberto por uma mancha de gaivotas
    Na impressionante fachada da minha alma
    Fecham-se com estrondo todas as portas


    Doce beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente lindo!
      Obrigada, Profeta, por compartilhar tais versos poéticos comigo.
      Bjoks

      Excluir
  7. Oi Jaque
    Vc sempre arrasando nesse tipo de poesia, mas eu tive a impressão que o sujeito é um homem falando, não sei se é impressão minha, uma coisa é certa, vc tem muita imaginação.
    Bjão querida. Fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, o eu lírico é o que vc quiser, eu só escrevo, vc interpreta!
      Isso é poesia!

      Obrigada, minha linda!
      Bjoks

      Excluir
  8. Muito sensual e apaixonante poesia. As vêzes é bom se sentir e agir assim...só instinto. Beijos e boa semana Jaque.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Su, minha linda,
      é bom mesmo, obrigada pela visita!
      Bjoks

      Excluir
  9. Elegante, sofisticado y sensual... Un saludo, amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi querido Armando,
      es siempre bueno conseguir aqui,
      besos...

      Excluir
  10. Oi Jaque,

    Tudo bem? Um belo texto! Diria que fruto de um amadurecimento, pois ele traz sim a recusa ao que não satisfaz. Aprendemos com o tempo que os nossos delírios são verdades que são confundidas com patologias, mas que estarão lá porque é a visão. E só assim, chegamos a vida.

    Beijos.

    Lu

    ResponderExcluir
  11. O meu querida poeta, será que algum dia encontraremos algo para além da presa. Acho que estou melancólica hoje à espera de algo rsrsr.

    ResponderExcluir

*Imagens: Google