quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Busca silenciosa




No silêncio do quarto
olho para um lado,
olho para o outro
e nada encontro,
além dos móveis
sem vida,
quietos.
O som do relógio na parede
mostra que o tempo não para
e que o calor que anseio ter aqui
é frio.
Meus toques em solidão
excitam-me,
deliram-me,
transcendem-me
aquecem-me adentro
esfriam-me a fora.
Lampejo,
desejo,
sol,
apelo meu,
presente seu.



10 comentários:

  1. En esa busqueda silenciosa con esos toques en soledad desojamos nuestros sentimientos, humedecemos nuestros Lamentos.
    Un abrazo, y beijos.
    Adoro Você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lamenta solitario y nostálgico, Pedro.
      Adoro você.
      Besos, mi querido.

      Excluir
  2. Menina, você é uma poeta compulsiva (rsrsr - não estou a reclamar, ao contrário). Você produz quase na mesma velocidade em que respira ou será que é o inverso, voce poetiza para respirar? Há alguns anos atrás, decorei cada imperfeição ou relevo das paredes de meu quarto, mesmo com uma figura que ocupava apenas espaço na cama. Num belo dia, descobri que o problema não estava no quarto, as paredes apenas tentavam me dizer que era preciso derrubá-las, que a cama quase completa não servia, deveria ser destruida, arrancado os lençóis e providenciado outros limpos, macios e perfumados para uma nova espera.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Helene, sou uma dualidade, respiro para poetizar, poetizo para respirar...rs
      Que lição o quarto deu para vc! Às vezes, precisamos quebrar as paredes, trocar os móveis, porém estamos tão apegados à lembranças do passado que esquecemos de viver o presente.
      Bjoks

      Excluir
  3. Uma busca silenciosa onde olhamos ao redor e nada encontramos daquilo que gostaríamos de ver e ter. Gostei muito, beijos Jaque!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Su, essa busca silenciosa, às vezes, grita no silêncio!
      Bjoks

      Excluir

  4. Olá!Boa noite!
    Jaque!
    ...quando o silêncio é profundo, transbordando de plenitude, quando já não resta qualquer anseio pelo som, quando há uma total concentração no desejos, então o pensamento, como uma seta, atinge e funde-se...consigo mesmo...
    Boa sexta feira!
    Obrigado!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Funde-se em si próprio...profundo isso, Felis.
      Obrigada.

      Excluir
  5. lindo texto, bem profundo, e esse silêncio, esta solidão eu confesso que já senti. amei seu cantinho, to te seguindo. se gostar segue o meu: http://www.blogdapreta.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Preta, pela visita, pelo comentário.
      Estarei indo ao seu blog retribuir.
      Bjoks

      Excluir

*Imagens: Google