quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Rendição


Não, não vou me render
àqueles olhos verdes
como matas paradisíacas
e florestas selvagens!

Não, não vou me render
àquele aroma amadeirado
junto ao frescor matutino
envolvendo meu sentido!

Não, não vou me render
àqueles jeito interiorano
de macho provocante
todo amante!

Não, não vou me render
àqueles braços aconchegantes
e acolhedores
aquecendo-me no inverno!

Não, não posso me render
pois nunca deixei de pertencer!








21 comentários:

  1. lindo demais.... Jaquelinda bjs no ♥.

    ResponderExcluir
  2. Jacque, lindona!
    Lindo também seu poema, além de inteligente.
    Mulher inteligente, você heim? :)

    Pois como haverá rendição se já há pertencimento?
    Interessante isso. Quando alguém é parte de nós, não precisamos nos render a ele, seria como rendermo-nos a nós mesmos...
    Bravo!

    Beijão, amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cissa, minha flor!
      Verdade!
      Como render-me a mim mesmo?? rs
      Bjoks

      Excluir
  3. E mesmo não querendo se render,,,mostra-se numa entrega total...corpo e alma...beijos de bom dia pra ti amiga..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, entrega total sem perceber-se.
      Boa semana,
      bjoks, Everson.

      Excluir
  4. Afortunado el hombre a quién vaya dedicado este precioso poema. Un beso, amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aramando, el hombre que me hace sentir la entrega no ha tocado la sensibilidad y por lo tanto carente de amor.
      Los desacuerdos, pero el amor!

      Excluir
  5. Saberás que há pedras brancas na ilha
    Que a raiva é cegueira à maravilha
    O mar às vezes se veste de maresia
    Que um amor no amar confia?

    Saberás que às vezes escondo o coração à crueldade do mundo
    Que o que outrora desejava agora receio
    Que a minha desesperada mente combate a tua
    Que a ternura às vezes morre ao meio da rua
    Bom fim de semana

    Doe beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelos versos comoventes e acolhedores, Profeta.
      desejo um bom fim de semana para ti também.
      Bjoks

      Excluir
  6. ÊPA...

    final surpreendente!

    E eu por aqui já arrumando as malas para lhe dar um apoio estratégico,pensando que a solidão batia nesse seu peito em chamas, mas quebrei a cara... então, tiro meu time de campo kkkkkk

    Só uma curiosidade: " aquele aroma amadeirado", seria o típico do pau-Brasil?

    Bem caso seja,estamos diante de um amor verde-amarelo,macunaíma e bem pátrio, porém, sugiro a você que não deixe nenhum outro colonizador, como fizeram os nossos antigos, levarem esse também!

    Se é que me fiz entender.

    Um abração carioca e toda vez que venho aqui saio mais feliz do que pinto no lixo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Paulo, é brasileiro!
      Tanto que o descrevi como as belezas de minha cidadezinha interiorana.

      Mas é só uma poesia, nada mais.
      Bjoks

      Excluir
  7. Já rendeu-se...rs

    Adorei o texto!

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Va, obrigada por vir.
      Bjoks, minha flor inspiradora!

      Excluir
  8. Parabéns...sempre muito talentosa !

    Orfeu

    ResponderExcluir
  9. Sempre muito talentosa...parabéns !

    ResponderExcluir
  10. rs...
    bom eu sou homem mas sinceramente devo concordar com sua palavras!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pela concordância, pela visita e pelo comentário.
      Bjoks

      Excluir
  11. Ah se rende sim, eu já desiti de resistir rsrsrs
    tem jeito não, mesmo pertencendo fica essa entrega.
    E com essa definição de olhos aí... Difícil viu? rsrs

    Milhões de beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que delícia, Ju!!!!
      Eu me rendi mesmo!
      Bjoks

      Excluir

*Imagens: Google