sexta-feira, 22 de junho de 2012

"Eu" em nostalgia



Enquanto o Brasil
vive em Cachoeiras,
alianças, desabrigos e pedofilias,
eu vivo nostalgia.

Amanheci assim, nostálgica!
a dor que me cortava cessou
deixou saudades,
saudades de momentos ruins
saudades de momentos bons
saudades de você
saudades de mim
saudades da Cléo*
sinto saudades do que poderia ter vivido
mas que por um fato ou outro esqueci de vivê-lo
mas também, eu tinha você.
Aliás, eu pensava tê-lo
mas ninguém pertence a ninguém
e disso eu não nunca deveria ter esquecido.

Sinto nostalgia
mas será só por hoje
amanhã, bem, amanhã não sei.
Penso que Cachoeiras
Cléo, minha gata
alianças, desabrigos e pedofilias
cessarão no Brasil
ou não.
Mas isso só saberei amanhã
porque hoje sinto nostalgia.
Não sou egoísta ou egocêntrica!
Apoio os movimentos
sigo os acontecimentos
mas hoje sinto nostalgia
talvez por um dia,
mas, sinto nostalgia.
           




*Cléo, Cleópatra, foi uma linda gata que eu tive e desapareceu. Tratava-a como minha rainha.



16 comentários:

  1. Como dice Joaquín Sabina:"No hay nostalgia peor que añorar lo que nunca jamás sucedió".
    Preciosa Poesía, llena de incertidumbres, reproches y palabras al viento.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou por natureza nostálgica, o poema é muito bonito.

    ResponderExcluir
  3. Quem sabe fazer de sua nostalgia e da lembrança da Cléo um poema lindo assim, não tem nada de egocêntrica, mas sim uma sensibilidade imensa e um talento admiravel....

    ResponderExcluir
  4. Lindo blog e seus poemas são profundos, vi sua divulgação nos blogueiros que pensam e já estou seguindo.

    ResponderExcluir
  5. Penso que somos nostálgicos em tempos normais, para relembrarmos tudo de bom que vivemos.

    ResponderExcluir
  6. Sí, Pedro, la vida tiene más incertidumbres que certezas.
    Gracias por venir y comentar de nuevo.
    Otro abrazo

    ResponderExcluir
  7. Obrigada, Ademir, vc prestou atenção em minha gatinha que se foi...obrigada, meu querido.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Te encontrei no "Blogueiros que pensam", vim conhecer, gostei e já estou seguino, se quiser retribuir, ficarei muito feliz... Seja bem-vinda! Segunda-feira, dia 25 de junho,
    terei postagem nova!
    Um final de semana iluminado!
    Abraço fraterno e carinhoso!
    Elaine Averbuch Neves
    http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Obrigada Eliane, estarei lá. Bjoks

    ResponderExcluir
  10. Há quem diz que sou anormal por ser tão nostálgica... por carregar em mim tanto sentimento, "sentimentalista, dramática, são dois dos muitos nomes que venho recebendo pelo meu ser diferente, se assim posso classificar" mas fazer o quê neh... o mundo só tem graça pela diferença que existe!!!

    Querida, agradeço pelo seu carinho deixado no meu mundinho, e não sei o que se passa quanto ao Blogger, mas espero que dure por pouco tempo. E dizer que também ando com saudades deste cantinho(parte do meu mundo) mas é como escreveste, ando muito nostálgica nestes últimos dias, quase tudo se resume a uma falta de vontade pra mim... mas enfim, estou me restituindo..

    Beijos cheios de saudades...

    ResponderExcluir
  11. Laudy, eu sinto quando algo está fora do normal com as pessoas com quem me relaciono até virtualmente, por isso fui ver como vc está. Espero que como eu escrevi, a nostalgia seja "só por hoje", é bom ficarmos nostálgicos esporadicamente para nos inspirarmos e vivermos o presente, porém "esporadicamente", não sempre. Cuide-se, bjoks

    ResponderExcluir
  12. Vi sua divulgação lá nos blogueiros, muito bonito o poema esses dias estava assim por um cão que tive e perdi faz 5 meses, quem não entende o amor que une até acha graça, mas me identifiquei com as palavras acima.

    ResponderExcluir
  13. Jorge, quando nos apegamos a um animal de estimação, a perda é muito dolorosa, em meu caso, suspeito de um vizinho que a tenha matado para comer, pois ele faz isso com gatos... fico revoltada, porém se matam pessoas o que dirá animais?!

    ResponderExcluir
  14. JAQUELINE,

    sentimenos de perda são de uma acidez existencial incomparável.

    Quando as perdas são inevitáveis,esperadas e dentro do cronograma lógico da vida,enfrentamos com maior capacidade de resignação.

    No entanto, quando estas irrompem como inesperadas surpresas,perdemos também, o chão,flutuamos no nada e a sensação é de que,cairemos no poço eterno das saudades nostálgicas, sem fim!

    Imagino sua dor,tento comprendê-la pois, tenho muito animais e saber o quanto em algumas situações eles são absolutamente,indefesos, aumenta minha solidaridade à sua perda!

    Mas, Jaqueline,além de animais indefesos, os homens matam, também, seres humano nas guerras encomendadas, ou os deixam morrer, como no continente africano e, outras regiôes extremamente pobres do planeta.

    Crinças que não vingam por distrofias multicarencias vitaminicas, onde a caixa craniana é a parte do corpo mais disforme em relação ao resto dos ossos aprentes em corpo esqueléticos.

    São visões de um verdadeiro filme de terror, e sua notalgia é um encontro de você consigo mesmo, tentando entender as razões de como, seres humamos podem ser mais irracionais dos que o próprios!

    Jamais conseguiremos achar a incógnita desta macabra equação da perversidade humana.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  15. Sem palavras...
    porém algo preciso externar, minha gratidão por vir, ler e deixar tal comentário em meu singelo texto. Atrocidades estão por todo o mundo, às vezes, não imaginamos, mas temos um assassino ao lado!
    Pessoas de sangue frio, vivas-mortas no mundo que habitamos e interagimos. Governos mascarados, ricos egocêntricos, pobres miseráveis e confusos em suas vãs maneiras de viver, comprometendo o futuro da Humanidade.
    Bjoks

    ResponderExcluir

*Imagens: Google