quarta-feira, 18 de abril de 2012

Um precipício


Compartilho aqui, uma poesia do prof. Hélio Marques Matias, que além de ser professor de inglês, é um excelente artista plástico e músico paulista.


Havia o músico solitário que morava nas ruas,
marginalizado pelos caminhos onde foi empurrado.
Havia o solidário que achava que sabia o que era felicidade,
enquanto buscava a sua tentando ajudar o solitário.


Havia um precipício entre eles.
Quando se vive muito intensamente alguma coisa,
pode acontecer de se acreditar que é só aquilo que existe.
Um gritava de um lado, e o outro gritava do outro,
mas cada um só ouvia o eco do original.


Hélio Marques Matias
O solitário acreditava que as pombas batiam palmas pra ele ao voar
O solidário só acreditava nas palmas humanas
O solitário era feliz só sabendo que a música existe
O solidário queria ajudar o músico solitário a vender a sua música


Espelhos existem,
mas, às vezes, existe um precipício entre eles.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

*Imagens: Google