quarta-feira, 18 de abril de 2012

Declaração de amor à flor do vaso


Prof. Carlos Brunno
Hoje, tenho a honra de compartilhar com vocês, meus deliciosos leitores, um poema doce e cálido do professor-poeta Carlos Brunno que, apesar de morarmos na mesma cidade, Valença/RJ, vimos conhecer-nos através da rede social Facebook. Portador de uma sutileza acrescida de ousadia e credibilidade incontestáveis, esse grande escritor deu-me o privilégio de poder expressar meus sentimentos
escritos através do blog e hoje estou aqui com seu apoio. Autor do blog "Diários de solidões coletivas" cujo link: http://www.dihitt.com.br/Lfiw, Carlos Brunno, interage com seus alunos transformando-os em adolescentes escritores. Isso é lindo e gratificante! Agora um poema vindo de suas solidões poéticas:


Declaração de amor à flor do vaso
(Versão 1997)

Aí esta você!
Confinada a um lugar que não é seu
Longe de sua casa
Longe de suas amigas
Perto de tudo que você nunca quis
Perto de mim
Oh, flor deste, vasto vaso vazio
Somos tão próximos e tão sozinhos
Gostaria até de beijar suas pétalas
Mas tenho medo do perigo
Tenho medo de me apaixonar
Se eu tocasse você
Se eu beijasse você
Se eu pudesse sentir você
Eu nunca seria eu
Eu nunca sentiria medo
Oh, minha pobre flor rica
De que adianta a ousadia de nossos sonhos
Se acovardamos nossos desejos?
Oh, minha flor menina,
Nossos corações são iguais.
Talvez, por isso,
Sejamos tão indiferentes com eles...

2 comentários:

  1. I like the tension and the anticipation in the poem. So sweet of you to feature Prof. Brunno. Will take a look at his site when I'm done here.

    ResponderExcluir

*Imagens: Google