sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Sente-se humilhada? Rejeitada? - Basta! Não mendigue sentimento!




Devido à repercussão deste post de 16 de maio de 2012, resolvi reeditá-lo, mesmo porquê é um tema sempre atual que nós mulheres conhecemos bem ou por termos já vivido ou por conhecermos alguém que por vezes passa por essa tal situação por medo de ficar... "soooziiiiiinhaaaaaa". 

Um dia desses, estava eu em um salão de beleza, quando chegou uma cliente chorosa de seu relacionamento. Eu, só observando, percebi sua dependência emocional pelo homem que lhe dera um "fora". Lembrei-me de quando passei por isso, não só uma vez, mas várias vezes, e tive dó daquela mulher. Pedi licença na conversa e, como dizem, "mandei ver" em exemplificações que levassem a tal mulher a enxergar o papel que estava prestando em fazer, o de mendiga de sentimento. Mostrei para ela o quanto era humilhante sua posição e que por mais que pedisse atenção do ex, ele só continuaria a humilhá-la e rejeitar tanto sua presença quanto sua ausência.

Querida, não é fácil, eu sei! Digo com firmeza que não é fácil, mas não é impossível!



                                      



Passei, diversas vezes por tal situação de mendigagem, e o que obtive? Humilhação, rejeição, agressão física e verbal e até tentativa de suicídio, pois minha autoestima foi para o "beleléu". A essa altura esqueci que tinha filhos pequenos e uma casa para sustentar. Foi o caos! Mas...graças a Deus não fui bem sucedida em minhas tentativas de suicídio. Estou viva e bem viva! Graças a Deus!

Que lástima! Uma mulher chegar ao ponto de ter sua vida entregue a outro ser humano, porém, sem merecimento. Ficar olhando para o celular de minuto em minuto para verificar se "ele" ligou ou mandou mensagem, ou até mesmo para ligar para o talzinho. Quem somos nós para termos alguém em nossa posse? Ou quem é o outro para ter domínio sobre mim? Lindinha, como disse para aquela mulher do salão, digo a você, dê-se valor! Quando um homem vier falar com você sobre uma "saidinha", pense que ele não tem gabarito para suprir suas carências, seus desejos, suas loucuras, suas TPMs e por aí vai...Seja imponente e firme!

Se o relacionamento não vai bem, não peça arrego, assuma que não está bem, tome postura de super-mulher e siga em sua decisão! Ele, com certeza, vai ficar sem entender nada. Mas cuidado! Quando ele perceber que não está mais fazendo falta para você, com certeza, esse homem vai procurá-la, e será aí que você não poderá fracassar! Ninguém mais do que o outro para saber nossa fraqueza! Ele vai querer você de volta, nem que seja para ser um estepe na vida dele. Se liga! Você nasceu para ser capacho! Não! Você é bela, perfeita obra divina, nasceu dotada de sensibilidade, charme, sensualidade, mesmo que você pense que não tem esses atributos, pode ter certeza, se você é mulher, você tem! Ser mulher é muito gostoso! É estímulo para sairmos à rua desfilando nossa beleza majestosa, independente de estarmos ou não dentro dos padrões de beleza da sociedade. Se tem algo que aprendi com os homens e mulheres durante minha trajetória  de sofrimentos, foi que não é a beleza do rótulo feminino que atrai olhares, mas sim, a exteriorização do seu INTERIOR de sua autoestima em alta, de sua segurança e determinação transmitidos passo-a-passo com charme e sutileza.Outra coisa muito gostosa de se fazer para caminhar desfilando, mesmo na correria do dia-a-dia, é pôr um fone de ouvido e ouvir músicas que motivam seu sorriso involuntário, deixando-a com ar de "poderosa"! Isso é um fato registrado e comprovado por mim!!! Compreenda que quem manda em você é simplesmente seu EGO.E se disserem para você: "-Nossa, você se acha!" - responda em seguida: "-Eu não me acho, EU SOU!" Com certeza você vai fechar a boca de muita gente, pois isso acontece comigo frequentemente! É notório como incomodamos as pessoas quando estamos bem! E...não podemos regredir!Você pode, assim como todo mundo pode, ser especial. Mas tem que começar a valorizar a pessoa do outro lado do espelho...VOCÊ!

Mais um fato que posso compartilhar com você, é a questão visual, não adianta ter um corpo escultural e não ter sensualidade. Não adianta ter atributos femininos agraciados se você não passa graça...formosura! Não vale de nada, ser linda e passar insegurança! Tem que transmitir graciosidade! Claro, que uma aparência maltratada também não ajuda, precisa de "conversar" acessórios, sapatos e roupa. Não é ser chique, é saber "conversar" as cores, os estilos e o ambiente. Mas isso é assunto para outra dica em outra postagem.


Para concluir, ame-se a si mesma e o retorno será uma vida saudável e gostosa, e, consequentemente,  você atrairá pessoas que jamais pensou que conseguiria. 
Eu sei que é difícil, mas sei que é possível!
Sei o que digo! Eu vivo o que relato! 
Boa sorte, amor a Deus e a você própria!
Bjoks ♥♥♥









terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Nada como um cafezinho!





O Brasil é um dos maiores produtores de café, porém o de melhor qualidade vai para o exterior. Mas tirando esta informação, todo brasileiro, se não todo pelo menos a maioria é apaixonada por um cafezinho. Pode-se perceber isto nas cafeterias.
Nada como uma para poder conversar, discutir assuntos e aproximar-se de alguém “entre uma xícara e outra”.
Em uma cafeteria nota-se olhares atentos e desatentos, alheios ou limítrofes à vida, entretanto o que importa é que mesmo o café de melhor qualidade do Brasil sendo exportado, os brasileiros não abrem mão de consumir o “resto” que fica.
Foram divulgados estimativas pelo MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) apontando que o consumo total de café no Brasil cresceu na última década 4% ao ano aproximadamente.


Entre uma xícara e outra, um vapor alucinado e uma conversa há uma correlação do Ser ou do não Ser, um universo paralelo cujo anelo sentido pelo instinto apresenta-se entrelaçado nas letras frias e cafés quentes (quiçá no vapor) tão necessários às mentes brilhantes quanto ao suor escorrido pelo cansaço do raciocínio ou por deslizar no instante do prazer do instinto humano indispensável à vida nem que só para um alívio energético em um momento usuário escasso de volúpia deliciosamente degustado sem pressa para a próxima reunião. Nada como um cafezinho!










segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Labirinto interior



E em meio ao Universo
ao mundo
as pessoas
aos entes
ao Eu,
me perdi.
Em um labirinto a vida se tornou.
Não me pergunte
quando, onde, como e por que aconteceu.
O que eu sei é que aconteceu.




Neste labirinto estou pedido,
onde se quer tenho forças para respirar ou
ânimo para prosseguir.
Não sei mais o sentido das coisas,
da vida e do Ser.

A natureza encanta com sua beleza
àqueles que a veem sem a confusão
de uma mente que já viu o abismo.
Mas em mim já não há mais cor.
Meu interior está vazio, enegrecido.
Talvez pela perda da essência da vida e
dos sentimentos outrora vividos ou
simplesmente por eu ter visto o abismo no momento em que ele me olhava.
Estou perdido.







domingo, 20 de setembro de 2015

Tudo é relativo.



Onde há sentido?
Na criança que perde sua vida antes de completar cinco anos de idade sem ter vivido as experiências da vida? No ancião que viveu décadas e décadas e agora por ter vivido tanto esquece de suas lembranças, seus filhos, de tudo o que viveu?
Talvez a resposta esteja no adolescente que ainda tem tanto para viver mas se perde ou nos livros ou nas ruas. Pensando bem, deve ser no adulto atabalhoado de tarefas sem tempo pra família ou para si mesmo.
A verdade é relativa.
A realidade é complexa quando encarada de forma individual, mas é normal quando vista no coletivo.
Somos todos parte de um mundo, de um todo que olhado de cima mostra-nos que não passamos de mais um nesse planeta, imperceptíveis, um átomo! Mas que em nosso mundo pessoal parece tão importante, tão grande!
Sei que é relativo, para mim nada tem sentido.
Se temos a oportunidade de crescer, ficamos ansiosos para nos tornarmos adultos, ao adultos trabalhamos muito para termos alimento em casa e quiçá um pouco de conforto, quando amadurecidos com as rugas chegando começamos a perceber que poderíamos ter feito diferente e ao envelhecermos se pudermos lembrar do que vivemos já vai ser um grande trunfo.
Sei que é relativo, para mim nada tem sentido.





*Imagens: Google